• Presidente do Partido Renamo Afonso Dhlakama e Juventude

  • O Lider do Povo

  • Bandeira do Partido

  • Presidente Afonso Dhlakama e as massas populares

  • Dhlakama o Salvador do Povo

  • Secretário-geral e quadros do Partido

  • Afonso Dhlakama durante o períplo 2015

Copyright 2017 - Portal da RENAMO

Bancada Parlamentar

Acompanhe o processo Legislativo Nacional Através deste espaço, clique aqui.

Boletim informativo

 

25 Anos Depois de Assinatura do AGP

MENSAGEM ALUSIVA AO DIA 4 DE OUTUBRO
Por ocasião das comemorações da passagem de 25 anos da assinatura dos acordos de paz, no dia 4 de Outubro de 1992, na Comunidade de Santˈigidio em Roma, diversas realizações alusivas a data tiveram lugar em todo o país. Diversas organizações políticas, religiosas, sociedade civil e outras, desfilaram em apoio a paz, onde manifestaram o desejo

de verem restaurados os passos da paz duradoira.
Diversas mensagens foram lidas e nós, trazemos na íntegra, a mensagem apresentada pelo partido RENAMO em saudação a data:
Estamos a celebrar os 25 anos do Acordo de paz, o que significa dia da Democracia em Moçambique. No dia 04 de Outubro de 1992, os dois Presidentes Afonso Macacho Marceta Dhlakama e Joaquim Alberto Chissano, assinaram o acordo visando o início do multipartidarismo, legalização dos partidos Políticos em Moçambique e que a partir desta data abriu se espaço para as primeiras eleições em Moçambique. Para nós, não temos outro nome a dar, senão, dizer que 04 de Outubro é dia de Democracia em Moçambique.
A nova constituição da República que foi escrita a partir de 1988 e 1989 e que entrou em vigor em 1990, foi resultado da nossa luta. Se não tivéssemos lutado pela Democracia não haveria a constituição de 1990 até hoje.
Que fique claro que a real história é esta: A RENAMO lutou pela Democracia multipartidária no nosso País. Sobretudo para a juventude que não viu os acontecimentos de 1975 para diante pode não estar a perceber. Por isso podemos dizer de viva voz que o Povo moçambicano depois da independência foi mais maltratado, espezinhado, escravizado do que nos 500 anos da dominação colonial portuguesa. Graças a intervenção do Povo através da RENAMO conseguiu-se paralisar toda estratégia da Frelimo de maltratar, humilhar, matar prender, perseguir o povo.
Tudo isso parou com a luta heróica levada pela RENAMO.
Reconhecemos que historicamente, a Frelimo- Frente de Libertação de Moçambique, lutou pela independência, mas temos que reconhecer igualmente que a RENAMO- Resistência Nacional Moçambicana, lutou pela Democracia Multipartidária em Moçambique.
Neste momento temos que olhar para frente. O que passou fica para a história. Queremos encorajar o nosso Presidente Afonso Macacho Marceta Dhlakama e o presidente da República Filipe Nyusi a negociarem para conseguirem a Paz com justiça, Desenvolvimento, sem pobreza, sem discriminação, a paz do fundo de coração. Queremos que com as negociações que estão sendo levadas a cabo, comece a se sentir um ambiente diferente do passado. Queremos um ambiente que vai fazer com que os moçambicanos se sintam donos do País.
Esperamos que as negociações consigam um bom desfecho e a Descentralização da Administração do Estado seja uma realidade, que em 2019 tenhamos governadores eleitos em todas as províncias do País. E que pela primeira vez no país as populações sejam governadas por governadores eleitos por elas próprias, o que quer dizer, aproximar a Democracia às comunidades e que as próprias comunidades decidam sobre o seu futuro. E isto significará a verdadeira Unidade Nacional.
Por outro lado esperamos que o dossier sobre a política de Defesa Nacional tenha uma solução. Para dizer que os comandos militares oriundos do lado da RENAMO que foram marginalizados durante os 25 anos, possam retomar às suas responsabilidades em todos os níveis de chefia no seio das FADM, como forma de despartidarizar as Forças Armadas Moçambicanas, passando a serem republicanas, técnicas e profissionais.
Será um orgulho para o povo moçambicano ter Forças Armadas que não fazem política e nem serão usadas para atacar o líder da oposição e nem perseguir as populações de Moçambique. Apenas terão como missão única, a defesa do País. Só poderão entrar em combate se Moçambique for invadido por forças externas. Essa é a missão das Forças Armadas num País com o Estado de Direito Democrático.
Do mesmo modo, esperamos que ao nível das Forças de Segurança, as tropas da RENAMO entrem na Polícia da República de Moçambique, como forma de pemitir que tenhamos uma polícia técnica profissional para proteger a população moçambicana. Queremos uma polícia que não faça política e nem discrimine as populações. Assim, não teremos mais os esquadrões de morte que têm como sua fonte a própria Polícia da República de Moçambique.
Reconhecemos que não é fácil haver essas mudanças, mas não temos outra alternativa porque queremos um País com uma boa imagem, forte e seguro para todos. Esperamos que com a realização do congresso da Frelimo, o presidente da República Filipe Nyusi tenha poderes suficientes para continuar a negociar com o nosso presidente Afonso Macacho Marceta Dhlakama.
VIVA 04 DE OUTUBRO
VIVA A DEMOCRACIA
VIVA A RENAMO

Get started with blogging on howtostartblogging.com
f t g m

Informações de Contacto

Endereço: Av. Ahmed Sekou Touré Nº 657

Telefone: +258843981313

E-mail: secgeral@renamo.org.mz

Website: www.renamo.org.mz